Kevin Hayes: humanidade sem filtros

sábado, agosto 31, 2013

kevin hayes17

 

Apesar de ter uma conta no Instagram, não me agrada muito a ideia corrente dos nossos tempos do “envelhecer fotos é cool”. Para piorar, há um incomodo interior por gostar dessa coisa do “vintage”, das saudades de tempos nunca vividos.

Sim, participo ativamente, mas tenho consciência que é só uma moda, uma brincadeira coletiva com amigos e desconhecidos. Tenho ciência que tudo isso vai ser visto no futuro como as calças bocas de sino dos anos 70, ou os shortinhos de lycra masculinos dos 80. Sei que envelhecer fotos é deixá-las datadas, típicas da era smartphone. Ao final vamos rir disso tudo no futuro. Em conversas de churrasco de quintal, em fins de semana, com nossos filhos ao colo, vamos dizer: “Quão ridículos nós fomos”. 

Fotografias realmente clássicas, daquelas que vivem no subconsciente da humanidade, aproveitam o que a realidade emite, sem muitos efeitos, na pura e simples necessidade de captar o momento como ele se dá.

Pode ser dos anos 20 ou 60, mas elas foram imortalizadas pelo olhar do operador da câmera e luz, muita luz, seja do sol ou do flash mesmo. E em termos de foto, gosto do luz, do flash revelando as pessoas e seus defeitos.

Por estas razões, me maravilho com a beleza bruta exibida nas fotos do fotógrafo estadunidense Kevin Hayes. Ele preza o humano sem recortes ou efeitos, elevando o cotidiano (e até o que se convencionou chamar de feio), ao patamar da arte.

Ruas, crianças, senhoras nuas, mulheres gordas, strippers, desconhecidos (sóbrios e bêbados), objetos, cantos despercebidos... Para Hayes, todas as coisas tem vida, tudo é motivo de inspiração, tudo é sagrado.

 

kevin hayes1

 

kevin hayes3

 

kevin hayes4

 

kevin hayes5

 

kevin hayes6

 

kevin hayes7

 

kevin hayes8

 

kevin hayes9

 

kevin hayes10

 

kevin hayes11

 

kevin hayes12

 

kevin hayes13

 

kevin hayes14

 

kevin hayes15

 

kevin hayes16

 

kevin hayes18

 

kevin hayes20

 

kevin hayes21

 

+ http://thedirtiestlittlerainbow.blogspot.com.br

       http://instagram.com/thedirtiestlittlerainbow

Bling (tédio) Ring

quarta-feira, agosto 28, 2013

bling_ring_2
 
Baseado em texto de Nancy Jo Sales para a "Vanity Fair", "Bling Ring - A Gangue de Hollywood" é o quinto longa de Sofia Coppola.

Entro no cinema em uma sexta-feira a noite, olhos lacrimejantes e cansados depois de um dia inteiro de trabalho árduo. A tela se ilumina. A projeção de 24 quadros de fotos por segundo dando a ilusão do movimento. Som estridente, música irritantemente dançante.

Meninas pós-adolescentes e lindas em vestidos minúsculos, roubam, tomam drogas, enchem a cara. Emma Watson dança, põe a língua para fora, sensualiza, mostra que cresceu e que já floresce nos pensamentos de rapazes que cresceram com ela ao longo dos anos 2000.

E depois?

Vestidos caros, joias, festas e tédio. Muito tédio (da minha parte, claro). E também um pouco daquela glamourização do que é errado e que ficamos profundamente com vontade de fazer, mas não fazemos porque… Sei lá, a vida real nos desmotiva.

Ou a senhorita Coppola perdeu a mão mais uma vez, ou sou um rabugento nostálgico que não consegue se desvencilhar de Virgens Suicidas e Encontros e Desencontros.

 
bling_ring_emma_watson2

 
bling_ring_emma_watson


+ http://theblingring.com/


Ouça (aqui) trilha:

Crown on the Ground, Sleigh Bells
Bad Girls, M.I.A.
Big Lights, Sammy Adams
9 Piece, Rick Ross feat. Lil’ Wayne
Live from the Underground, Big K.R.I.T.
Cotton Candy, Brian Reitzell
Ouroboros, Daniel Lopatin
Sunshine, Rye Rye feat. M.I.A.
212, Azealia Banks feat. Lazy Jay
Hell of a Night, ScHoolBoy Q
Gucci Bag, Reema Major
Dans Beat, Brian Reitzell
Drop It Low, Ester Dean feat. Chris Brown
All of the Lights, Kanye West
Arabic Princess, Reema Major
Freeze, Klaus Schulze
Halleluwah, Can
Money Machine, 2 Chainz
Levels (Instrumental), Avicii
Power, Kanye West
Locomotion, Plastikman
Everythang, Jeezy
FML, Deadmau5
Disintegration Part IV, Bassnectar
Showers of Ink, loscil
Bankrupt, Phoenix
Super Rich Kids, Frank Ocean
*** Músicas que não foram incluídas na playlist***

Cotton Candy
, Brian Reitzell
Hell of a Night, ScHoolBoy Q
Gucci Bag, Reema Major
Dans Beat, Brian Reitzell
Arabic Princess, Reema Major
Locomotion, Plastikman

( peguei na Intrinseca: http://www.intrinseca.com.br/site/2013/05/divulgada-a-trilha-sonora-de-bling-ring/)













Ricky Nelson Lives Again

segunda-feira, agosto 26, 2013




…neste sleeveface maneiro. E eu nunca me canso de seus eternos hits adolescentes reverberando em minha mente que, apesar de nunca ter vivido nos 50´s, está repleto de nostalgias nunca vividas.
 
 
Be Bop Baby!
 
 
 
 
 



Na terça, Goya é sexy

terça-feira, agosto 13, 2013

Marylin-reading
Marilyn Monroe fotografa por Bob Beerman em 1953

As famosas "pinturas negras" de Goya em doces mãos: separados por eras distantes, mas unidos por seus "gênios" atormentados.

Afinal, mesmo na tormenta da vida, Marilyn e a leitura são sempre sexys.

Branca de Neve Andaluz

segunda-feira, agosto 12, 2013

blancanieves04

Blancanieves (2012), de Pablo Berger

A Espanha tem algo de surreal em sua cultura. Tenho essa impressão devido ao Surfer Rosa, álbum do Pixies que bebe das mesmas fontes de Salvador Dali. Acho este trabalho surpreendente por ser uma mescla musical das exóticas culturas cigana, mourisca, árabe, judaica e um barulho desgraçado.

A dança flamenca, por exemplo, com suas palmas, sapateados e violões característicos, é mais que uma expressão corporal. Parece-me mais um estado de graça, repleto de sons e imagens ricas. E de certo modo, tudo isso é a base que preenche todo o disco.


blancanieves05
 
Sim, estou fazendo um paralelo entre uma obra musical e outra cinematográfica, coisa deveras fora do contexto. Mas essa foi a única maneira (acho que a mais viável segundo a minha consciência), de relatar a experiência sinestésica que foi ver esse filme. Afinal, foi por causa da banda que conheci “Um Cão Andaluz”, do Bañuel.

Só posso garantir que é um belo exemplo de que quando uma história é bem contada, recursos básicos como cores e diálogos são dispensáveis. Podemos, de verdade, presenciar a tal mágica do cinema que tanto se fala, mostrar-se de forma completa na tela.
 



Uma imagem vale por mil palavras

coffee

… mas um gole dessa belezinha vale por mil ideias.

Fascination Street

sábado, agosto 10, 2013



The Cure às 10h da manhã, com uma música que me remete para tempos imemoriais.


Post cliché do blogueiro sem tempo

quarta-feira, agosto 07, 2013

Pois é. Ridículo,  mas verdade. E quando sobra algum momento livre, o verbo "esparramar no sofá" se faz presente. Só o tempo dirá se terei novamente uma vida ativa neste canto do mundo.