Mallu Magalhães: o biscoito recheado do folk rock adolescente

segunda-feira, dezembro 01, 2008

Ontem (29/11/2008)fui ver Mallu Magalhães. Fui vê-la com toda aquela carga de menino sabido com longos anos de vivencia rock and roll, neste inicio de minha fase “balzaquiana” com anos de experiência no consumo voraz de literatura, cultura pop e musica. Em outros termos, eu fui assisti-la com quilos de preconceito nas costas. O motivo dessa pré-conceituação da garotinha fofinha que toca folk-rock é que aprendi com Nelson Rodrigues que toda unanimidade é burra. Logo, o que todo mundo diz que é bom (ainda mais influenciado por doses maciças de mtv, youtube e myspace), deve ser analisado ou descartado sem nenhum tipo de aprofundamento. Mas mesmo assim, resolvi dar uma chance a moça.

Foi engraçado, talvez até vergonhoso, mas lá estava eu na fila de ingressos que crescia na proporção que o Sol ia se pondo. Estava lado a lado com essa nova geração de adolescentes, criados por tv, vídeo-game e internet. Meus 30 anos roçavam com púberes meninas que davam os primeiros passos em sua vida de rebeldia de playground, fumando maços de Malboro ou cigarrinhos indianos perfumados. No fundo, eu me divertia. Imaginava que um dia, cada uma delas, estariam viciadas em coisas mais atraentes: viciadas em seus filhos, em seus amores confusos, em suas religiões pentecostais que bravejam o fim do mundo, viciadas em seus trabalhos de profissionais bem sucedidas e viciadas em alguma droga que substitua todos esses outros vícios com apenas uma aplicação intra venal ou um trago na fumaça que nasce do crepitar de uma pedrinha mágica.

Vergonhas a parte, garanti o meu ingresso. Cheguei no meio da apresentação da
Matiz, banda que nada me despertou. Mas despertava o entusiasmo de umas 100 pessoas que cantavam algumas canções junto com a vocalista. Na quarta lata de cerveja, terminaram o seu set. Instrumentos desmontados em segundos para dar lugar a segunda atração da noite. Quem era mesmo? Uma tal de Silvia Macheti. Mas quem seria essa Silvia? Tinha lido um breve comentário em algum lugar. Era algo como uma perfomancer que teve aulas de canto, dança, teatro, circo, malabares e sei lá mais o que. Não me lembrava muito.

Eis que sobe ao palco uma moça com um vestido rosa, estilo
Jackie "O" e com uma pomba enfeitando a cabeça. Magrinha, nariz acentuado e afilada. Parecia uma Amy Winehouse comportada. Mas apenas parecia. O que aconteceria depois dessas primeiras impressões, seria a minha primeira e grande surpresa da noite. Silvia trouxe além de sua voz poderosa, um humor corrosivo, inteligente e surreal. Esperta, foi se mostrando aos poucos, em pequenas e leves doses de loucura transgressora, para não chocar a garotada. Cantou suas canções com muito charme, transformou “Sweet shine o mine” do Guns and Roses em Bossa-Nova, Bossa-nova em hardcore, fez uma garota da platéia chupar o seu dedão do pé e acendeu um baseado enquanto rolava desvairadamente um bambolê em sua cintura fina. Silvia é muito mais rock do que qualquer grupo de tatuados com piercing e alargadores nas orelhas, com cara de mau empunhando guitarras-falos que só arrepiam garotas bobas. Muito mais arrepiante e verdadeira do que rapazes barbudos e de All Stars surrados cantando sobre perdas amorosas em ritmo desacelerado. Em resumo, Silvia bota para fuder de forma fantástica!

                                           



Agora vamos a Mallu.

Sabendo que a menina estava prestes a iniciar seu show, o público se aglomerava na frente do palco. Meninas com o mesmíssimo visual de Mallu surgiam aos montes. Algumas com coletes pretos sobre camisas brancas e boinas na cabeça. Algumas com franjas para o lado e óculos de grau gigantescos. Outras, filhas bastardas da cultura de massa, vestiam calças justas verde-cana e camisas em silk screen do cult “Laranja Mecânica”. Novas gerações, novos filmes de culto. A menos de quatro anos, toda menina baiana indie queria viver coisas simples, sentir o sol da manhã, sentir feijões na mão e ser Amelie Poulin. E agora, o que elas querem ser? Desejam ultra-violencia? Anarquia desenfreada? Delinqüência burguesa? Tomar leite e estuprar garotas? Só deus (ou o diabo) sabe!

Havia também meninos brancos, com feições blasé e roupas de grife. Escreviam em cartas de baralho, recados para a cantora. Uma imagem enigmática para minha mente. Por que baralhos? Qual a seria a estranha ligação? Mallu curte poker? Ou seria a facilidade de jogar seus desejos e declarações de forma mais eficaz à sua heroína? O que acredito é a mesma coisa que o Cazuza também acreditava: querendo ser ingleses, nós, caboclos, seguimos estilos e formas de ser baseados naqueles que nos colonizam. E a colonização agora é cultural.

Então, ela sobe ao palco. Rápida como um ratinho, ela se movimenta como um garoto desengonçado. Mas, meu deus, choque para os garotinhos com cartas de baralho na mão! Eles abrem a boca, sorriso metálico á mostra: Mallu usa o clássico vestidinho de fitas do senhor do Bomfim. Paninho simples, baratinho. Vejo balões de pensamentos na cabeça dos moleques: “Pô, por que ela não veio de nerd-folk?” Ela nada diz e vai logo tocando seu banjo. Publico quieto, calado. A multidão se aglomera ainda mais e apenas observa. Milhares de olhos como zumbis sem alma, apenas olhando, apenas degustando Mallu.

É isso. Um insigh cai sobre minha cabeça. Todos querem degustar Mallu! Todos querem entender o porque do fascínio. Todos querem saborear seu jeito infantil, ingênuo(?), que interpreta canções de velhos encrenqueiros de country e folk music. Dentro de Mallu há resquícios de boa musica, de canção pop perfeita, “cantarolável”, “assoviável”, inesquecível. É como um biscoito recheado. Dentro de Mallu há a voz de garotinha esperta, restos de Bob Dylan, Johnny Cash, Beatles. Por isso todos apenas olham atentamente, devorando-a, sentindo o gosto, o prazer de tudo do que há embutido dentro de seu magro corpo, dentro de sua mente adolescente que só diz bobagens. Meninos, meninas, senhoras e senhores. Todos zumbis, devorando Mallu e suas musicas simples.

Claro que acho nojento tudo isso. Claro que não vejo nela nenhuma espécie de salvação da musica nem nada que o valha. Claro que para meus olhos ela é só uma boa artista, com uma voz afinada. Ela sabe fazer canções pop legais, isso é fato. Mas o nojento em Mallu é o hype em torno dela. O nojento em Mallu é justamente o frisson que é feito em torno de algo que poderia fluir muito mais leve e sincero se não fossem as pessoas. As mesmas pessoas que a imitam na forma de vestir, as mesmas pessoas que quebraram a cara quando ela chamou o Olodum ao palco. Nunca imaginei que um banjo combinaria tão perfeitamente com samba-reggae!


                                                   

Fim da festa, hora de voltar para casa. Garotos com olhar blasé e gangs de meninas de calça verde-cana voltam para seus universos de rebeldia vigiada em playgrounds e shopping centers. Em seus Ipods, Mallu Magalhães irá tocar por um bom tempo. Do meu lado, andei um pouco pelo Pelourinho, bebi duas cervejas em algum beco sujo, observei gatos perderem a elegância comendo restos de lixo de comida amontoado num canto da rua. Observei seres humanos perderem sua dignidade comendo do mesmo lixo de restos de comida que os gatos vadios se fartavam.

Mas como diz Mallu, “Behind the sad I showed her the life is really fun” (Atrás do triste, eu mostrei para ela que a vida é realmente engraçada..)






6 comentários:

agatha disse...

Nem precisei ir ao show pra ter noção de como foi, muito bom. Seu olhar crítico é massa!

Carol Assemany disse...

Oi poderoso,

Nossa q saudade de te ler, Dan!! Queria mto ir ao show, mas trabalho serve p tirar a gente da nossa diversão, ne? Enfim!
Te agradeço o post, mas, principalmente, a dica da Silvia Machete! Boa pesquisa, afinal num país com tanta cantora boa, p ter destaque tem msm é q rebolar! (horrível, mas n resistir, kkkkk).

bjssssss!

Amanda disse...

Bom olhar mesmo! Eu estava lá e concordo. Palavras simples falando sobre coisas complexas sem radicalismo nenhum. Eu vou tomar emprestado as suas palavras em alguma mesa de bar, ok? :)
Ah, eu sou amiga de Graze e sei da existência de vocês via o fantástico mundo da internet.Os fotologs fazem de rostos estranhos, conhecidos...e eu me confundo sem saber se conheço de fato ou não. No caso de vocês, ainda não. Prazer :)

deniac disse...

Seja bem vinda Amanda. Esses novos tempos informacionais nos confundem mesmo, por isso relaxe!

Obrigado pelo comentário e apareça sempre que possível!

Gra disse...

Não sabia que vc tinha reativado o blog! Adorei a resenha do show e realmente fiquei curiosa com a Machete aí. No comments kkkkkkkkkk

Graze!!! disse...

ai jesus, a Gra aí não sou eu não! eu gostei da Silvia e queria ter ido, eu tenho vontade de me bater qdo penso que minha preguiça me vence! =/ eu adoro a forma como vc escreve sobre musica e atualidades vai ver q é impressão de uma geração vendo duas na frente se comportar, ahahahahah mas enfim! vamos no proximo!?!?! e amanda comentou mesmo que tinha visto voces! =/ só eu não fui!