Poesia Urbana

terça-feira, novembro 18, 2008




Vi tons de laranja no horizonte sujo de Salvador. Vi prédios novos nascendo para o campo azul do céu. Vi carros nervosos escoando pelas negras avenidas de asfalto. Senti a poluição nos olhos, no olfato e na epiderme. O calor de um grande centro urbano no quase final do dia, de um quase verão escaldante.

O concreto sob milhares de pés vindos de todos os lugares e indo para todos os lugares. A doença humana em seus múltiplos afazeres diários. Praga destrutiva do ambiente e de si mesmo. Raça que se reconhece no espelho todas as manhãs. Consumidora de seu próprio lixo. Amante da vida inteligente, ágil e confortavelmente moderna. Construtora de sua própria destruição.


Eu vi a noite cair sobre você. Vi suas luzes artificiais nascerem vagarosamente em postes de cimento e metal. Os ninhos de fios de cobre. Os pássaros de aço. Ouvi os sussurros tímidos entre antenas de celular. Segredos e imagens suspensas ao redor de nossas cabeças. Sonhos receptados em televisão de plasma. Sonhos receptados em minha antena de carne, que descansa profundamente nesse papelão imundo.







Um comentário:

Dolly disse...

Porra... quando vc for morar em São Paulo vai ter orgasmos múltiplos. Ou então pira de vez esse seu cabeção!